Aldeia do concelho de Castanheira de Pêra, distrito de Leiria

13
Out 16

ANTES DA BROA

Amassa-se a farinha, mistura-se o fermento e deixa-se a levedar.

Agora é preciso aquecer o forno.

Pois é, para cozer a broa é preciso aquecer o forno e para aquecer o forno é preciso lenha.

Atualmente em quase todos os arredores das aldeias existem árvores por podar, árvores secas, arvores a precisar de desbaste. A fuga de pessoas para os grandes centros deixou as aldeias sem gente nova e as propriedades ao abandono. De vez enquanto aparece um “teimoso” e lá vai limpando, cortando silvas. Arranjar lenha é somente preciso levar a ferramenta adequada seja motosserra, serrote ou machado e querer manobra-la. Muita gente dá gratuitamente de boa vontade a lenha das suas árvores, o difícil é arranjar quem queira ir lá cortá-la. Antigamente não era assim, as propriedades e as árvores andavam limpas e a lenha era sempre precisa para cozinhar em casa.

Quando se pretendia aquecer o forno, recorria-se aos gravetos de pinheiro.

Quem sabe o que são gravetos (chamiço, garavato, garaveto, gravato)?

Os gravetos são os ramos secos das árvores. Na Sarzedas um molho de gravetos de pinheiro foi muitas vezes a solução rápida para aquecer o forno. Mas não era fácil dado que os gravetos estavam altos e agarrados ao tronco. Então inventaram o gancho para gravetos. Uma vara comprida de 4 ou 5 metros com um gancho de ferro ou madeira atado com um arame ou pregado na ponta. Com esse gancho puxavam-se os ramos secos para baixo com força até partirem, fazia-se um molho atado com uma corda e levava-se às costas ou à cabeça até ao forno .

 

gancho graveto061.jpg

 

publicado por Sir do Vasco às 22:54

30
Set 16

broa

 

Hoje (ontem, já foi ontem) uma amiga, antiga colega de colégio, Liliete Graça, publicou no FB uma imagem com um conjunto de broas dentro dum forno.

E pergunta ela: “Que vos lembra?”

A brincar eu respondi: “A manteiga, pão quentinho, manteiga fresquinha.”

Na verdade o que me ocorreu de imediato quando vi a imagem foi a recordação da minha avó Conceição e da minha mãe, quando coziam o pão. Que eu nunca comi com manteiga nessa altura. O que às vezes me calhava, na Páscoa, era uma broita pequena com açúcar e erva doce.

Esta imagem deu origem a um conjunto de comentários, que todos eles me fazem lembrar a Sarzedas do Vasco há muito anos atrás.

A broa que se cozia e guardava na arco do milho.

A broa, que assim, durava quinze e não endurecia.

A broa que se acabava e por vezes não dava jeito cozê-la  de imediato, pedia-se uma emprestada à vizinha. Talvez o moleiro não tivesse passado, é que era preciso mandar milho pelo moleiro que o levava ao moinho, no caso sempre na Ribeira de Pera, retirava a maquia, e só passado um dia ou dois voltava com a farinha. A maquia era uma parte que o moleiro retirava, para se pagar do trabalho que tinha.

A arca do milho que guardava ovos também.

A arca que servia de mealheiro.

E as peras duras que se punham na arca do milho e ficavam macias em poucos dias.

E como as conversas são como as cerejas falou-se dos chouriços que se faziam.

Das escamisadas. Ah! Que saudades de facto! (escamisadas ou descamisadas era o ato de retirar a capa das espigas, várias pessoas sentavam-se à volta dum monte de espigas de milho e retiravam-lhe a capa. Quando aparecia uma espiga de milho vermelho, chamado milho rei, quem o descamisava teria de dar um abraço a todos os outros presentes).

O papo-seco que se comia às vezes. Por falar em pão de trigo, lembro-me que na Sarzedas só às vezes vinha o padeiro. Quem se lembra do Zé Padeiro, que Deus o tenha? Vivia no Carregal Cimeiro e quando começou a vir dar a volta, trazia um cabaz de pão às costas da padaria do Troviscal até à Sarzedas! Hoje algum padeiro sabe o que é isso?

 

E já agora a minha história do papo-seco.

No início dos anos sessenta, a Cáritas distribuía aos alunos da catequese (ou da Escola?) leite em pó, farinha de milho, farinha de trigo e às vezes queijo. As crianças levavam para casa…   … naturalmente toda família comeria. Como já havia cabecinhas pensadoras nessa época, resolveram entregar a farinha ao padeiro (porque se os pais ou irmãos comessem podia-lhes fazer mal) este passou a levar papo-secos todos os dias à escola, a todas as escolas. Um papo-seco por cada aluno. Claro assim já não era distribuído para levar para casa. Não terá chegado a ser um ano lectivo completo. Foi um “bodo às crianças” que se acabou depressa.

Um papo-seco por dia!

Hoje se comer um pastel de nata, um brigadeiro ou molotov não me sabe tão bem com sabia aquele papo-seco.

https://www.facebook.com/lila.graca.1/posts/990885991057279?comment_id=990936904385521&reply_comment_id=991156394363572

Obrigado pela foto já que mandavas partilhar eu aproveitei deste modo.

publicado por Sir do Vasco às 02:03

02
Fev 16

Cheguei agora a casa.

Estive em um velório.

Em alguns as pessoa falam baixinho. em outros falam e estando muitas pessoas até na rua se conversa noutros não se fala. Quem lá está às vezes tosse, por vezes sem vontade de tossir, dizem "ai, ai!" mais ou menos profundo.

Hoje estavam poucas pessoas , não havia conversas, estive a pensar  e como é rápido pensar:

Dia 2 de Fevereiro, dia da Senhora das Candeias. quase não se sabe o que é uma candeia, como é uma candeia. Como eram os velórios há mais de quarenta ou  cinquenta anos atrás na Sarzedas? Só os mais velhos se lembram.

Se recuarmos cinquenta anos no tempo, na Sarzedas do Vasco habitavam  trinta ou mais famílias que somavam para cima de 100 pessoas. Os velórios  eram em casa. Os defuntos eram colocado no  sobrado, (entenda-se sobrado como sala, é parte que sobrou depois de feitas as divisões da casa, há regiões onde se chama sobrado à própria casa) por vezes em cima duma arca ou de uma mesa, enquanto não chegava o caixão.

O caixão vinha da Castanheira.

Bastante mais tarde o Sr. Manuel Alves Rodrigues, conhecido por Manel das Chitas, começou a vender caixões e com o andar dos tempos fundou a Agencia Funerária Chitas.

As mulheres, donas de casa, logo que sabiam do óbito, cada uma levava a sua candeia de azeite a casa do defunto onde ficava a alumiar durante toda noite. Trinta candeias!

À noite todas as pessoas passavam a dar os sentimentos à famíla enlutada.

Os homens estavam por ali um bocado, até às tantas e iam dormir para suas casas.

As mulheres ficavam a noite toda, se fosse Inverno levavam uma manta para se embrulharem nela, só regressavam a suas casas  na manhã seguinte.

No dia do enterro o  Padre ia a  casa "levantar" o corpo.

O cortejo funebre seguia a pé, até à capela da Sarzedas de S. Pedro.

À frente, tres homens com opas vermelhas. O do meio levava a cruz, os laterais cada um sua lanterna. O Ti João sacristão junto ao padre com a caldeirinha da água benta na mão.

O caixão era transportado em mãos. Quatro homens pegavam nele. Era preciso força e aguentar algum tempo, até que outros homens substituissem os primeiros. Parava-se um momento. Havia várias paragens. Uma era na Ponte Melada. Enquanto se preparavam as trocas dos "carregadores do caixão" o Padre rezava uma oração mais um Pai Nosso e aspergia o caixão com água benta. E lá seguiam todos a pé.

Depois da capela até ao cemitério, ainda se parava mais duas vezes.

Como seria fazer este percurso sem estrada boa ou aceitável, como é hoje? Já não é do meu conhecimento, tenho uma vaga ideia  da construção da atual estrada.

Alguém pode imaginar como seriam os funerais antes de haver cemitério na Sarzedas? A pé até à Castanheira!

Não havia carro funerário! Nos anos sessenta o primo Adelino, O Ti Adrião da Balsa e o Ti Zé Henriques do jogo, fizeram um peditório e compraram uma carreta de quatro rodas para transportar as urnas. Mas era preciso empurrá-la à mão. Já era melhor!

 

 

 

publicado por Sir do Vasco às 23:04

02
Dez 15

 

 

 

 VEIO À LUZ EM 25 DE JUNHO DE 1925

minha mãe

SARZEDENSE DE NASCIMENTO,

TALVEZ A MAIS ANTIGA À DATA.

ESTEVE CASADA 64 ANOS.

DESENCARNOU EM 29 DE NOVEMBRO DE 2015.

PARA ELA... MISSÃO CUMPRIDA...

POR MIM MUITO FICOU POR DIZER,

MUITO FICOU POR FAZER...

 

 

 

Para Sempre

Por que Deus permite
que as mães vão-se embora?
Mãe não tem limite,
é tempo sem hora,
luz que não apaga
quando sopra o vento
e chuva desaba,
veludo escondido
na pele enrugada,
água pura, ar puro,
puro pensamento.
Morrer acontece
com o que é breve e passa
sem deixar vestígio.
Mãe, na sua graça,
é eternidade.
Por que Deus se lembra
— mistério profundo —
de tirá-la um dia?
Fosse eu Rei do Mundo,
baixava uma lei:
Mãe não morre nunca,
mãe ficará sempre
junto de seu filho
e ele, velho embora,
será pequenino
feito grão de milho.

Carlos Drummond de Andrade, in 'Lição de Coisas'

 

publicado por Sir do Vasco às 22:25

13
Nov 15

Descendente de Sarzedas do Vasco, filho do Ti Jaime, serralheiro e da Ti Ilda da Moita, Vitor Silva, conhecido por Vitor da Moita, (também entre os colegas do colégio,Vitor Galinha) partiu.

Na primeira crise pós 25 de Abril, partiu para S. Paulo onde viveu, trabalhou e constituiu familia, há cerca de 40 anos. Agora partiu de  novo  ... deixou todos. Pelo que ouvi dizer foi rápido, muito rápido, não teve tempo para estar doente...

Deixo aqui este humilde sentimento, especialmente para o filho, Vitor Gabriel. 

Também para esposa, mãe e irmã.

Que Deus console o seu espirito.

Victor (da Moita).JPG

  Em 20-03-2010 na Sarzedas

 

Por desconhecimento meu, pois julgava que o Vitor tinha apenas um filho, omiti a filha e genro. Alertado para a incorreção deixo-lhes aqui as minhas desculpas.

Para eles também o mesmo sentimento

publicado por Sir do Vasco às 15:11

29
Jul 15

 

"DE-MO EM MASSA, QUE EU MESMO EM MASSA O COMO"

Em modesta opinião, julgamos que em Portugal atualmente só passa fome quem não quer fazer a "ponta dum corno". Não haverá empregos, ditos bons empregos, mas há muito onde realizar algum dinheiro, sem roubar. Até a pedir se ganha (ou adquir muito) dinheiro, que para alguns, dá para viver.

Enquanto der para brincar com a comida a coisa vai boa! Não somos contra isso.

Hoje a SIC mostrou no jornal da tarde, ali para os lados do Cartaxo, alguém que brinca com as flores de curgete, com recheio que vão ao forno e faz-se algo de comer o chorar por mais. Mostrou também uma produção de plantas aromáticas de "grande sucesso". Também não somos contra.

Mas produções de alimentos, digamos que principais, como batata, feijão, couve, etc, aqueles que são efetivamente necessários no dia a dia da alimentação das pessoas, esses poucos se dedicam a produzi-los... afinal ainda importamos alimentos! Será por não produzirmos suficiente ou por vantagens comerciais?

Na Sarzedas do Vasco, como já referimos, as pessoas viviam do que produziam, contudo com famílias numerosas e com poucos terrenos cultiváveis, nem sempre a abundância era suficiente para que não houvesse fome. Não temos  conhecimento de haver cultivo de curgetes nas hortas da aldeia. Havia sim cultivo de abóboras cuja flor é parecida. Nunca ninguém se terá lembrado de comê-las! Muito menos de recheá-la!

Hoje há tempo para brincar com as comidas, os antigos não tinham esse tempo.

Isto faz-nos lembrar uma estória que ouviamos contar lá na terra. Um certo rapaz tinha por obrigação como muitos outros ir "tirar o gado" ou seja apascentar as ovelhas mas como tinha fome e sabia que a mãe ia cozer o pão foi protelando a saída do gado até que a mãe se põs ao alto com ele e o obrigo a ir embora ainda que com grandes protestos, já que a fome não o deixava. A mãe dizia-lhe  "...o pão vai lá ter". Lá foi para os ladas do  Torroal não se afastando muito da aldeia. Passado algum tempo, dado que ninguem lhe levou a merenda e a fome era ainda mais, abandonou o gado e veio ao lugar ver se a mãe já tinha pão cozido.

"Venho à procura do pão!" Terá ele dito à mãe.

Ao que ela respondeu: "O pão ainda está em massa, vai guardar o gado!" 

Disse o rapaz: "Ò  minha mãe, de-mo em massa, que eu mesmo em massa o como"

Não havia tempo para brincar com a comida!

publicado por Sir do Vasco às 14:19

19
Jul 15

Passa pouco das 10 horas da manhã. Um grupo de Sarzedenses, quinze ou dezasseis pessoas de Sarzedas do Vasco inicia uma caminhada de cerca de 2 horas e tal até ao Fontão Fundeiro. É dia de festa da Nossa Senhora da Saúde. A missa é às treze horas e é melhor ir andando para não chegarmos atrasados.  Cada um leva seu lanche, porque depois da procissão lá por volta das tres e tal ou quatro da tarde é melhor aconchegar o estomago. Subimos até ao Alto da Alagoa, atravessamos por estrada de terra até encontrar o ramal de Campelo já na subida, agora até ao alto da Senhora do Pranto temos a estrada municipal que não sendo alcatroada é melhor do que os carreiros no meio do mato. Mais dez minutos e estamos no alto. Descemos depois até Vilas de Pedro e numa pequena pausa já merecida, pois já estamos no caminho há mais de uma hora, molhamos o bico no grande fontenário de água corrente, cristalina e fresca, que fica no largo principal, mesmo ao lado da estrada.

Alguns despacham-se e vão espreitar pelo postido da capela da Nossa Senhora do Pranto que fica cinquenta metros á frente. Logo a seguir a esta capela cortamos à direita por um caminho agricola que atravessa por entre milheirais, geiras de feijões verdes, couves , alfaces, abóboreiras e outras plantações desta época. O ambiente é de frescura, apesar das 11 e tal e do Sol escaldar, cheira a terra regada de fresco e apesar de ser Domingo alguém anda a aguar o alfobre ali mais abaixo.

Já entrámos agora numa zona de pinhal que vamos atravessar. Depois de subir e descer duas ou três colinas a última descida levou-nos à entrada da ponte no inicio da aldeia, sobre uma pequena ribeira cujas margens estão cheias de hortas bem tratadas. Agora é sempre a subir até à capela. No inicio desta subida, junto das primeiras casas da aldeia, uma quelha à direita leva-nos à fonte, eu e mais alguns fizemos mais este desvio e fomos de novo dar de beber ao corpo e voltámos, apressámos o passo para apanhar de novo o grupo que foi andando.

É meio dia e meia, chegámos ao recinto, vamos à capela e vamos esperar pela missa.

A missa começou ligeiramente atrasada, a capela esta cheia de gente, se isto não fosse a casa de Deus, diria que está um calor infernal. Missa de festa demora sempre mais, missa cantada, com três padres. Os andores ocupam parte da capela mor pelo que os homens que assistem à missa estendem-se até à porta exterior da sacristia. Na entrada principal algumas mulheres assistem á missa  na rua e o som que lhes chega vem das campanulas de som, instaladas na torre.

...   ...   ...   ...   ...   ...  

São quase quatro da tarde, a procissão terminou há pouco. O "rato já roe na barriga" vamos procurar um sombra  ali no pinhal ao lado e fazer o pic-nic. Aqui perto está uma "taberna" de festa: Uma carroça  tem três pipos em cima, um tabuleiro com vários copos  e vários jarros de barro vermelho pendurados pela asa num cabide feito com um pau e pregos espetados, umas grades com laranjadas e outras com cervejas. A mula que puxara a carroça está presa a um pinheiro uns metros mais abaixo a recompor-se com uma facha de palha. À volta da carroça várias estacas espetadas no chão suportam umas tábuas em cima, em forma de U. Enquanto as mulheres do grupo estendem as toalhas no chão em cima da caruma e debaixo da melhor sombra escolhida, os homens abeiram-se do "balcão" e pedem um jarro cheio. Alguns preferem só tinto outros compram uma laranjada e fazem uma mistura. Levam o jarro até à "mesa" o qual entregarão de volta depois de vazio. Apesar de estar quente como caldo o conteúdo do jarro vai-se dividindo com um mesmo copo que passa de pessoa em pessoa. É bom e sabe a festa.

Entretento a banda filarmónica já terminou o pequeno concerto que tocou, com os músico em pé, em frente à capela.  O Locutor de serviço  pede a presença de um mordomo através do som atirado para as campanulas na torre. Vão iniciar o leilão das fogaças. Quanto vale? Quem dá mais? Ninguém dá mais? Vou entregar ...   ...   ...   um ...   dois...   três. rum catrapum e pum! Está entregue.

Agora o nosso estomago está composto, são cinco da tarde esta-se aqui bem mas temos que voltar ao caminho... A Sarzedas do Vasco fica a duas horas e tal de distancia e enquanto de manhâ "IAMOS PRÁ FESTA!"   agora "vimos da festa!".

 

Esta notícia que aqui publico só tem de verdade o facto de ter havido missa e procissão. Só nos anos sessenta do século passado isto poderia ter acontecido, em 1966 ou 67 pode ter sido verdade.

Hoje ninguém vai a pé da Sarzedas do Vasco à festa da Senhora da Saúde, Ainda que fosse não atravessaria do Alto da Alagoa para o ramal de campelo, agora alcatroado.  Não há milheirais nem hortas à saída de Vilas de Pedro, Não se conhecem carreiros nem atalho pelo meio do mato. Não há hortas bem tratadas  à entrada do Fontão. Só a  fonte velha ainda lá está à direita ao fundo da quelha.

A escola primária fechou. A missa não é cantada, não é rezada na capela. É missa campal debaixo dos plátanos que já estão grandes e com boa sombra. Como na maioria das romarias populares da nossa região, é uma missa vulgar, não cheira a festa, não é incensada e é presidida apenas por um sacerdote. Este ano por acaso foi o Vigário Episcopal para a Pastoral.

Não há mais tabernas de festa. Não haveria fregueses, ninguem compraria bebidas "chocas" ah! ah!  e a ASAE não permitiria, seria um perigo para a saúde pública (não sei como ainda aqui estou!) Também não há pessoas a comer os farneis debaixo dos pinheiros.

Continua a existir o mini concerto dado pela banda filarmónica, seguindo-se os leilões de fogaças.

A missa campal foi uma boa alteração dado a grande afluencia de peregrinos que continua a existir. A capela não é original, tendo sido construida de novo no mesmo local, foi feita com "vistas curtas" porque ficou de tamanho semelhante à antiga. Num local onde as necessidades são visiveis e o espaço não falta, poderiam ter construido um templo mais bonito e mais espaçoso uma vez que a opção foi deitar abaixo e fazer de novo.

As fogaças são transportadas de mota quatro, compreende-se... mas perde-se o efeito das fogaceiras na procissão.

Os enfeites do arraial deixaram de ser de papel de seda e como em muitas outras festas, passaram a tela de plástico  recortada. Um ponto talvez positivo, talvez evoluido: usaram apenas duas cores azul e branco. Digo "talvez evoluido" porque nota-se aqui uma pretensão de tornar  o aspeto fino, mas fico em dúvida se isso é melhor!!! Festa de arraial é isso mesmo muita cor, muita poluição visual é isso que dá aspeto de arraial popular quando se pretende "snobar" o  arraial torna-o numa festa de finalistas ou num baile de fim de ano.

Sra Saúde 2015 (2)

Sra Saúde 2015 (1)

Sra Saúde 2015

 

publicado por Sir do Vasco às 23:22

08
Jul 15

linita076.jpg

 

 

 

Familiarmente conhecida por Linita, prima Lina, Maria Aline Rosa Simões, faleceu ontem.

Trabalhou nas Finanças em Tomar e Coimbra, enquanto "correu" atrás da licenciatura em Ciencias Geográficas. Tanto quanto conheço terá sido a primeira pessoa (eventualmemete a segunda??) licenciada, que nasceu em Sarzedas do Vasco.

Dedicou depois a sua vida ao ensino, tendo fixado residencia há vários anos em Leiria. Aqui faleceu numa clinica privada, depois de alguns meses de algum sofrimento.

O avô dela era meu tio bisavô, sendo portanto sua mâe prima direita de meus avòs maternos.

Pessoa por quem tinha muita estima. Estou sentido pelo acontecimento.

Paz à sua alma!

publicado por Sir do Vasco às 09:24

29
Mar 15

Diziam os antigos que quando chovia em Domingo de Ramos era bom sinal, daí o ditado "Ramos molhados anos melhorados". Hoje domingo de Ramos não choveu, vamos contudo, desejar que o ano seja bom.

Mais uma vez recordamos com nostalgia a benção dos Ramos na Sarzedas de S. Pedro. O cheiro a louro e alecrim que pairava no ar, ramos enormes com três ou quatros metros de altura a tocar nos candeeiros da capela, enormes pernadas de loureiros com alguns ramos de oliveira e alecrim atados. Um lirio ou uma camélia a enfeitar faziam a cobiça de quem não os tinha. 

Hoje, aqui no Ribatejo norte, estivemos presentes  numa das cerimónias da Benção dos Ramos. Quase todos levavam uns raminhos envergonhados com 15 ou 20 centimetros de comprimento, ramos de oliveira, alecrim ou de outra planta qualquer. Apenas uma pessoa levava um ramito de louro.

O que importa é o significado.

As Escrituras falam-nos de ramos de  OLIVEIRA  e PALMEIRA com que saudaram Jesus Cristo quando entrou em Jerusalém.

Já na antiguidade a oliveira  oliveira-1.jpgera sagrada para a deusa Atena e com uma coroa de oliveira era presenteado o vencedor de Jogos Olímpicos. As portas e os pilares do Templo de Salomão eram feitos de madeira de oliveira e o seu óleo era utilizado em cerimônias de consagração aos sacerdotes judeus.

 

A palmeira, no Egito antigo, era associada a Osíris e era símbolo de união com Ísis. Quando Jesus Cristo entrou em Jerusalém, a multidão saudou-o  com folhas de palmeira. Ela é o símbolo da vitória de Cristo sobre a morte.  As folhas de palmeira eram utilizadas em funerais, representando assim a vida após a morte. 

O loureiro, em Roma, era o símbolo de Apolo, pois representava a vitória, a glória e as recompensas. Os romanos acreditavam que os ramos e folhas de louro protegiam contra os relâmpagos, quem os utilizavam.  (Antigamente na Sarzedas quando trovejava, punha-se o resto do madeiro de Natal a arder um pouco na fogueira e quando já estava em brasa, colocava-se na soleira da porta com uma cruz de louro, do dia de Ramos, em cima, a qual ia ardendo devagar, para afastar a trovoada, é claro que enquanto estas etapas se desenrolavam todas, a trovoada já tinha afastado)

louroOs sacerdotes romanos utilizavam os ramos para borrifar água ou sangue de sacrifícios nas cerimônias nos Templos, e aí deu origem à tradição cristã de borrifar com a água benta em algumas cerimónias.
Os gregos acreditavam que as folhas de louro davam o dom da poesia e da profecia.
Em Atenas, a coroa de louros e de oliveira era símbolo de distinção e glória. Apesar de não ter valor material, a coroa tinha um significado muito especial para os atletas 

 

alecrim.jpgO alecrim era queimado nos santuários da Grécia antiga e o seu fumo era utilizado na idade média para desinfectar e afastar maus espíritos. Nas escolas gregas eram usadas auréolas de alecrim nas cabeças das crianças para melhorar nos exames.

Os gregos denominavam o alecrim  “flor por excelência”, e dela se serviam para tecer suas coroas, que utilizavam em  certas ocasião festivas.

 Em muitas regiões de Portugal substitui a palma e a oliveira na festa religiosa do Dia de Ramos.

 

 

 

 

 

publicado por Sir do Vasco às 22:53

23
Nov 14

NO PRINCIPIO DOS ANOS SESSENTA NA FONTE VELHA.

NOTA-SE UMA MACIEIRA REINETA  QUE ALI EXISTIA E MILHO POR DETRÁS DOS AVÓS DOMINGOS EIRAS E CONCEIÇÃO EIRAS.

A SEGUNDA IMAGEM MOSTRA O MESMO LOCAL ARRANJADO. ONDE HAVIA A MACIEIRA EXISTIAM VIDEIRAS EM 2007.

 

avós

Fontvelha final

 

 

 

publicado por Sir do Vasco às 19:43

Outubro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO